A Culpa é das Estrelas - John Green


Olá, leitores do Guria. Aqui estou eu com mais um resenha. Só que não. Ao menos não exatamente. Eu não consegui escrever uma resenha pra esse livro, então tentei um formato diferente, porque eu achei que vocês tinham que ler sobre, de alguma forma. Desculpem se algum de vocês achar péssimo, mas é a vida. Tem coisas péssimas nela, como alguns podem achar essa "resenha", e tem coisas muito boas, como o livro que a motivou. Então, mesmo se não gostarem do que escrevo aqui hoje, peço que dêem ao livro uma chance, e daí talvez vocês entendam por que não consegui escrever algo diferente. 



A Culpa é das Estrelas - John Green




Sinopse: Em A Culpa é das Estrelas, Hazel é uma paciente terminal de 16 anos que tem câncer desde os 13. Ainda que, por um milagre da medicina, seu tumor tenha encolhido bastante — o que lhe dá a promessa de viver mais alguns anos —, o último capítulo de sua história foi escrito no momento do diagnóstico. Mas em todo bom enredo há uma reviravolta, e a de Hazel se chama Augustus Waters, um garoto bonito que certo dia aparece no Grupo de Apoio a Crianças com Câncer. Juntos, os dois vão preencher o pequeno infinito das páginas em branco de suas vidas.



Caro Querido John Green,

                Hoje terminei de ler seu último livro, A Culpa é das Estrelas, e não sabia como escrever uma resenha pra ele, pois a verdade é que não quero dividir o livro com ninguém, mas sinto que devo. Ao mesmo tempo, queria escrever algo pra você, mas não queria enviar. E não porquê eu ache que você é um Van Houten (que,  você sabe mas talvez algumas pessoas que estão lendo não saibam, é o autor favorito da Hazel), eu penso que seus vídeos no youtube atestam o seu estado de não-Van-Houten, então né. Mas vamos voltar pro meu egoísmo de não querer dividir esse livro com ninguém, mas sentir que tenho que. O fato é que esse livro me tocou muito profundamente, e eu não sei a razão. Não é porquê tenho alguém muito próximo que morreu de câncer. Eu tenho, mas quem não tem? E eu sei que não é por conta dele que o livro me marcou tanto. Afinal, a única coisa que eles (meu avô e seu livro) tem em comum é o câncer. A verdade é que as coisas que fazem o seu livro me importar tanto são coisas que não estão nele, mas que partiram dele. Isso faz algum sentido pra você, John? Deixe-me explicar. A Hazel Grace e o Augustus Waters são adolescentes com problemas maiores do que eles deveriam ter, que passaram por muito. E eles são adolescentes irônicos, inteligentes, divertidos... E eles tem aqueles momentos que às vezes eu tenho e penso que todos temos, de olhar para o nada e refletir sobre coisas sobre as quais talvez nunca tenhamos certeza, e nesses momentos eu me sentia naquela dimensão paralela em que eles ficavam -A Hazel Grace e o Augustus Waters- quando falavam no telefone, participando das conversas e dividindo meus sonhos, objetivos e filosofias de vida. Acho que é isso que eu não quero dividir com os outros: eu. Porquê agora, toda vez que alguém abrir seu livro, vai ter um pouco de mim ali. E isso pode parecer idiota mas é muito verdade. É tão verdade que eu sei que ninguém nunca vai ler o livro da mesma forma que eu li, nem eu mesma. É como com Harry Potter, sabe? Eu posso ler os livros mais oitocentas vezes, mas eu já vou saber. Eu nunca mais vou ter a habilidade de chegar ao fim do último livro e ficar sem voz e sem ar e daí começar a chorar porquê como-ela-teve-coragem-de-fazer-isso-eu-não-estava-preparada-pra-morte-dele! E por 'ele' eu quero dizer Fred, é claro. Então o mesmo serve pra seu livro. Cada vez que eu pegá-lo pra reler, será um livro diferente, mesmo sendo o mesmíssimo livro que li anteriormente. Ainda será um livro lindo, emocionante, triste, alegre, engraçado, com personagens interessantes e engraçados e críticos, que tem pais que também são interessantes e críticos de suas próprias formas, mesmo aqueles que não tem mais crianças de quem ser pais. Você sabe de quem estou falando, mas eu não posso dizer o nome, me matariam por isso.
                No fim, eu queria mesmo é te agradecer por 'A Culpa é das Estrelas', pela Hazel Grace Lancaster, pelo Augustus Waters, pelo Isaac e até pelo Peter Van Houten. E por Amsterdã. Obrigada pelo dia da Bastilha, também. É uma comemoração digna. Mais ou menos.  E obrigada, acima de tudo, pelo pequeno infinito que você me deu, por meio desse livro.


Atenciosamente (porque é a única coisa que consigo pensar pra terminar essa carta no momento), 
Uma pessoa que já deixou algumas cicatrizes nesse mundo, como todos nós.



24 comentários:

Maryzlane Sarah disse... [Responder comentário]

Eu gostei, e me deu mais vontade ainda de ler esse livro ^^

Amanda Chieregatti disse... [Responder comentário]

Acho que ninguém foi capaz de resenha suficientemente bem "A Culpa é das Estrelas". Não sei explicar, mas... não é que ficamos sem palavras, acho que é justamente o contrário: ficamos tão cheios de palavras que é impossível coloca-las para fora.
Adorei sua "resenha".... acho que você devia mesmo enviá-la! ^^

Beijos!
Mandinha :)
minhasconfissoesfemininas.blogspot.com.br

Maíra K. disse... [Responder comentário]

E como não se emocionar com essa resenha? Se já aconteceu comigo em uma resenha, imagina quando ler o livro!

Miin Trindade disse... [Responder comentário]

@Maíra K.

Muito bom saber que a resenha te tocou. O livro me emocionou bastante, eu me apeguei totalmente a ele, e ainda não consegui entrar no universo do livro que estou lendo agora porque o Gus e a Hazel ainda continuam comigo! É uma leitura mais que recomendada.

Milene Soares disse... [Responder comentário]

uma das resenhas mais lindas que eu já li, mal posso esperar para ler o livro.

laura abdon disse... [Responder comentário]

Nossa!
Eu já li muitas resenhas de A culpa é das estrelas, e no geral as pessoas elogiam muito o livro, dizem que ele é super tocante. Mas eu nunca imaginei uma reação desse tipo. Sério. Eu te entendo perfeitamente, quer dizer, a sua reação. Tenho isso as vezes com alguns livros.
Agora posso dizer verdadeiramente que estou com vontade de ler A culpa é das estrelas. Nem tanto por curiosidade, mas sim pela experiência.
Essa foi a melhor "não resenha" que eu já li. Adorei.
Laura
cataventodeideias.com

Anônimo disse... [Responder comentário]

Esse livro marcou a minha vida,sem dúvidas o melhora livro que já li na minha vida. Acho que pelo fato de eu ter 18 anos e tb usar oxigênio e o bipap, me enxerguei nas palavras da Hasel.
Não conseguir não chorar nessa parte: Então me safei usando a velha desculpa da dor e do cansaço, como fiz várias vezes nos últimos anos quando saía com a Kaitlyn ou com algum dos outros. Na verdade, sempre doía. Sempre doía não respirar como uma pessoa normal, tendo a toda hora de lembrar a seus pulmões que eles devem agir como pulmões, fazendo força para aceitar como insolúvel a dor lancinante que vem lá de dentro por causa da falta de oxigenação. Eu não estava mentindo de todo. Estava só escolhendo uma das verdades.
Um livro muito lindo, engraçado, EMOCIONANTE!
Parabéns pela sua resenha, você escreveu tudo que eu sentir ao ler.

Miin Trindade disse... [Responder comentário]

@Anônimo

Hey anony! Seu comentário me emocionou!!! Eu entendo como é a de nos identificar bem intimamente com um livro, e fico feliz que, apesar dos pesares, o livro tenha te deixado feliz e você tenha se identificado com a resenha. Grande e apertado abraço virtual pra você, e força aí!
Bjs

Anônimo disse... [Responder comentário]

Sua resenha me deixou com vontade de ler o livro, porque sei exatamente o que é se identificar com um livro e lê-lo várias vezes, mas sempre se emocionar com ele. Li A Menina que Roubava Livros muitas vezes, mas só na terceira eu chorei, porque foi quando comecei a entender a história. Gostei muito da sua resenha.

Anônimo disse... [Responder comentário]

Olá, obrigada, um super abraço tb, amo seu blog ele é demais, ah e meu nome é Rafaelle tah?! kkk, beijoss

Ana Laura disse... [Responder comentário]

Rê,
Estou com o mesmo problema que você. E inclusive, é por isso que acabei aqui em seu blog. Vim em busca de outras inspirações para ver se sai a minha resenha. Não consigo parar de lembrar de alguns fatos do livro e logo, a resenha "padrão" não sai. Ó John fez de fato uma mágica.

E sim, amei sua carta-resenha ;)

beijos

Anônimo disse... [Responder comentário]

Lindo seu texto!

Érica

Markos Queiroz disse... [Responder comentário]

Olá, adorei seu blog, e a matéria sobre A Culpa É Das Estrelas.
Quando comecei a ler o livro já foi com arrepios gigantes e quando terminei foi com a vontade de voltar ao inicio e não ver o fim dele.
É um livro maravilhoso, faz parar pra pensar e mudar um pouco nossos conceitos.

Estou seguindo o seu blog, se quiser o meu também, segue: http://livronasmaos.blogspot.com.br/

Abraços!

Anônimo disse... [Responder comentário]

Tenho 50 anos e estou chegando ao final deste tão meigo, triste e alegre livro.
É uma leitura para todo aquele que é ou foi um adolescente em um momento de sua vida.
Lembrei amores, sentimentos, épocas, amigos e dores.
Estou nas últimas páginas e estou poupando a minha leitura, fico triste de saber que terei que me separar desta hitória de vidas e mortes e amores.

Anônimo disse... [Responder comentário]

ALGUEM RESPONDA POR FAVOR.
Boa tarde, ainda nao li o livro e parece ser muito bom. Antes de compra-lo gostaria de saber se há momentos de sexo, ou mais picantes entre algum personagem, pois gostaria dar de presenta para uma irma mais nova. Alguem me ajude

Dicas Jovens disse... [Responder comentário]

O livro contem algum momento picante, de sexo??? Só estou perguntando pq interessei muito pela historia, e gostaria de dar de presente pra minha irma, que tem 13 anos ainda. Se alguem puder responder. Muito obrigado.

Isabella Morais disse... [Responder comentário]

Os meus olhos continuam inchados. Acabo de ler A culpa é das estrelas.Meu coraçã está com a sensação que tive câncer. Emocionante, mais que tudo, e verdadeiro.Eu queria conhecer o Green dar um abraço nele e agradecer pelas emoção que senti, que com certeza deixou um cicatriz em mim. Eu Aceito.

Beatriz disse... [Responder comentário]

eu adorei a forma que vc encontrou pra falar sobre o livro, desde que lançou eu tenho muita curiosidade em relação a ele, espero ler logo =D

Nayá disse... [Responder comentário]

Lindo!

Cida disse... [Responder comentário]

Linda sua resenha, deu mais vontade de ler o livro *-*

foupourlivres.blogspot.com.br

Francielen Trassante Fortes disse... [Responder comentário]

Ao ler seu post fiquei muito curiosa para ler o livro. De verdade.
Eu sou nova aqui no seu blog, e tive a sorte de achá-lo, gostei do seus textos e seus pontos de vista.
Ah, é gaúcha? Se for, eu também :)

Valeu, guria. Beijos.

Karine Braschi disse... [Responder comentário]

Eu já estava curiosa pra ler esse livro, com a tua resenha então... Vou ficar maluca!

Ah, tô seguindo você. Um beijo!
http://geekdebatom.blogspot.com.br

Juliana Erdmann disse... [Responder comentário]

que lindo,gostei.
*-*

http://melanciapink.blogspot.com.br/

Maari disse... [Responder comentário]

Conheci o blog hj e amei (: já estou seguindo!
Ainda não tive a oportunidade de ler este livro pq aqui onde eu moro não te livrarias ;/ Mas amei a resenha! No meu blog antigo eu curtia falar de livros, nesse nv aind anão falei, mas assim que falar quero te indiocar pq ameeeeeeeeeeeeeeeei *-*
http://caramelises.blogspot.com.br/ , bjs!

Postar um comentário

 
Guria que lê © 2010 | Desenvolvido por Chica Blogger | Voltar para o topo