Miin in Wonderland #10

 
 Olá leitores do Guria! Aqui estou eu com mais um "Miin in Wonderland", e dessa vez trago não só uma review, mas também uma pequena novidade, que visa a maior participação de vocês, queridos leitores, no blog! Que novidade? A discussão literária. Depois da review, vou buscar ter sempre um tópico para discutirmos, que tal?




Delirium - Lauren Oliver





Sinopse: Antes os cientistas descobrirem a cura, as pessoas pensavam que o amor era uma coisa boa. Eles não entenderam que uma vez que o amor - o delírio - floresce em seu sangue, não há como escapar. As coisas são diferentes agora. Os cientistas são capazes de erradicar o amor, e o governo exige que todos os cidadãos recebam a cura ao completar dezoito anos. Lena Haloway aguarda com expectativa o dia em que vai ser curada. Uma vida sem amor é uma vida sem dor: segura, medida, previsível e feliz.




Delirium é o segundo livro escrito por Lauren Oliver, também autora do bestseller 'Before I Fall' (no Brasil, 'Antes que eu vá'), mas é seu primeiro trabalho distópico, apesar da autora dizer, em entrevista, que não havia conhecimento de distopia como categoria literária quando começou a escrever o livro.
No universo criado pela autora, o amor é considerado uma doença, algo que pode te levar à loucura e à morte. Por isso, ao completarem 18 anos, todas as pessoas devem passar por uma operação para se curar do amor.
A escrita de Lauren é bem lírica, suave, e nos faz mergulhar na história, mesmo que por vezes se torne um pouco cansativa. O livro começa lentamente, e é nessa parte da leitura que alguns leitores, menos pacientes, podem considerar abandonar o livro. Porém, depois de um início um tanto lento, a narrativa vai ganhando velocidade e se tornando mais dinâmica, não só pelas 'reviravoltas' na trama, como também pela transformações da protagonista, Lena.
Tenho que admitir que, no início, não gostei da Lena. Ela era bastante conformada e não parecia enxergar o que acontecia bem na cara dela, mas não é culpa dela. Lauren Oliver nos apresenta tão bem o mundo que criou que às vezes nos perguntamos se esse mundo distópico não estaria correto, se o amor não é mesmo uma doença. Os próprios trechos dos livros escritos pelos 'especialistas' em Amor delíria nervosa (o nome "científico" da doença amor) nos ajudam a entrar mais ainda no universo de Delirium e aumentam nossos questionamentos.
Um dos maiores pontos positivos do livro é acompanhar como os personagens crescem. Eles passam por muitas coisas e passam a ver as coisas de outro modo, e a ganhar coragem para tomar as decisões por si próprios, de questionar, e é muito empolgante ver tudo isso pelos olhos de Lena, ela própria mudando mais do que eu achava possível.
Lena, Hanna, a melhor amiga, e Alex, o interesse amoroso, são um ótimo trio, e fiquei feliz por não haver um triângulo amoroso na história!
Hanna é uma personagem ótima. Ela é bem humorada e é a primeira a despertar o pensamento de 'revolução' em Lena. Além disso, ela faria de tudo pela amiga.
E o Alex... Ah, gente, o que dizer dele? Está no meu 'top 10 melhores personagens masculinos do mundo YA'. Alex ensina a Lena o que é o amor, e a não temê-lo. Acima de tudo, ele é bastante corajoso e maduro, e capaz de um grande ato de amor que muda a história de Lena.
Delirium não é somente uma história de amor, mas também uma história sobre o amor, e uma que nos faz sorrir e chorar, contada delicada e poeticamente por uma autora que já entrou na minha lista de favoritos. Mal posso esperar por Pandemonium!


DISCUSSÃO LITERÁRIA
Durante minha conversação de alemão, citei Delirium para minha professora e, discutindo a trama chegamos a algumas perguntas... Será que precisamos do amor pra viver? Se sim, porquê? Como seria o mundo sem amor?




15 comentários:

Vulcka disse... [Responder comentário]

O amor em si é essencial, afinal, é justamente devido a falta dele que temos verdadeiros monstros cometendo atrocidades por ai. Ouso dizer, até, que já vivemos em um mundo sem amor (generalizando, é claro).


E quando digo que o amor é essencial, não me refiro a busca desesperada por um companheiro, o frio na barriga, o tão esperado beijo e essas coisas. Histórias sobre príncipes encantados são lindas, mas é possível sobreviver sem elas. Agora, sem um irmão para implicar com você, sem um cachorro para abanar o rabo para as besteiras que você diz, sem uma mãe para te mandar vestir um casaco ou sem um amigo para te incentivar a sonhar, sem isso, sim, não há vida, não há nada!

Juliana disse... [Responder comentário]

Eu acho que já tinha ouvido falar desse livro, mas só por nome. Nem fazia ideia de que essa era a trama, e NOSSA, agora eu quero ler ><" hahahaha

Chegando à discussão, eu acho que PRECISAR, não precisa. Quer dizer, os animais não têm esse sentimento e estão aí, se reproduzindo e sendo felizes -q Mas - lá vem a bióloga - o amor é importante, biologicamente falando, porque ele traz proteção. Uma mãe que tem amor ao filhote vai protegê-lo de uma forma muito mais forte que outra que age só pro instinto.
Mas acho que o amor surge com a consciência, então acho que hoje, no nível que nós estamos, seria impossível. Acho que o mundo ficaria muito pior do que é... porque se com amor já tá difícil desse jeito, imagian sem? hahahaha

Ok, falei demais...

Beijos, Rê! =***

Ju
http://julianagiacobelli.com

Marco Antonio disse... [Responder comentário]

Boa noite!!
Sim!!!
O Amor é a razão de tudo e sem ele o mundo que já esta em decadência, já teria acabado..

Abraços e parabéns pela a resenha!

Gisele disse... [Responder comentário]

Nossa RÊ que resenha linda!!!!!
O tema desse livro é maravilhoso!!!
Não sei se a humanidade conseguiria viver sem o amor...Como disse a Vulcka, o amor que tanto almejamos não está relacionado somente na busca por um companheiro, mas se faz presente em cada ato que nós realizamos por todos que nos cercam..o carinho, a afetividade, o respeito que temos e podemos demonstrar para as pessoas são a maior prova de amor!!!

Adorei o tema da Discussão literária!!!!

bjus

Maryzlane Sarah disse... [Responder comentário]

Nossa meu tipo de livro, Miin você ta me fazendo aumentar cada dia mais minha lista de livros hahahahhaha

Parece ser um daqueles tipo de livros que te faz viver junto com o personagem.

Parabéns Miin, muito bom o post.

Claudia F. disse... [Responder comentário]

Ah, fiquei com vontade de ler esse livro. *-*
É, talvez o amor seja uma doença sim, mas para aqueles que não sabem o verdadeiro significado do amor. Acho que sem amor seríamos muito azedos e amargurados. Não que eu ache o amor a coisa mais importante, não o amor de um casal, acho que outras formas de amor, por exemplo, a amizade, é mais importante, no meu ponto de vista pelo menos.

Claudia F.
http://entreincertezas.blogspot.com/

Bruna disse... [Responder comentário]

Adoreeei a review e nossa fiquei bem curiosa com esse livro!!
E a capa é lindona!

E nossa, cooooooom certeza nós precisamos do amor... não o amor carnal, mas o amor de respeito, preocupação um com o outro e também de termos carinho recebidos e doados.

Eu não conseguiria me imaginar num mundo sem amor, seríamos praticamentes máquinas... tipo o Dexter... quer dizer, ele ainda não chegou nisso haha... mas isso é outra história!


Adorei a discussão!


Beijoss

Endry disse... [Responder comentário]

Delirium me fez lembrar de "Feios"! Um mundo distópico, que traz críticas à realidade, apresentando uma posição mais conservadora. Fiquei com vontade de ler, mas com medo de ser muito parecido com Feios...

Beijinhos, ótima sexta! :*

Brenda Lorrainy disse... [Responder comentário]

Estou looooouca por esse livro,desde a capa a sinopse achei tudo perfeito!

Sobre a discussão acho que o amor é sim essencial,se o amor existindo acontecem tantas coisas ruins todos os dias,imagina se esse sentimento não existisse? Íamos nos reduzir a simples animais movidos por instintos(nem sempre corretos).O amor é que nos faz refletir sobre o outro,sobre a preocupação do que é melhor para cada pessoa !

Georgia Schmitt disse... [Responder comentário]

A review esta otima, Parabens... A capa eh linda, o titulo nao chamou minha atencao... Mas agora, depois da sua review, estou muito curiosa para ler o livro. Meu deus a minha lista de livros so aumenta...
E sobre o amor... essencial, nao da para imaginar um mundo onde ele nao exista!!!
Bjs Georgia

Miin Trindade disse... [Responder comentário]

@Endry

Eu li Feios e, apesar da ideia lembrar um pouco, o desenvolvimento é bem diferente, e a narrativa da Lauren é muito diferente da do Scott :D

samara disse... [Responder comentário]

adorei a capa !!
gostei da ideia do livro mas n fikei tao empolgada igual quando eu li antes que eu va, gostei do alex q cara esse !!!
:D

Miin Trindade disse... [Responder comentário]

Não é, Samara? O Alex é mt owwwwwwn *-* Quero um desses pra mim.

Laiara Martins disse... [Responder comentário]

Ai quero muuuito ler... Não conhecia ainda e adoooro esse estilo de livro... Aliás, estou num momento literário muito distópico...
Também lembrei de Feios, mas já vi ali nos comentários anteriores que é diferente... Gostei bastante de Feios e de toda a ideia, mas sei que autores diferentes, escrevem de forma diferente..
Ai, fiquei louca!Quero muito

bjusss

Adriana disse... [Responder comentário]

Oi Re!que livro diferente, não conhecia, fiquei feliz em ler sua resenha, achei uma história muito interessante, fiquei pensando como seria um mundo sem amor e a minha curiosidade aumentou muito a respeito dessa leitura!
E respondendo a pergunta, claro que precisamos de amor no mundo, um mundo sem amor com certeza seria pura violência, não consigo nem imaginar!

Postar um comentário

 
Guria que lê © 2010 | Desenvolvido por Chica Blogger | Voltar para o topo