A Fúria dos Reis, As Crônicas de Gelo e Fogo - George R.R. Martin




Depois dos acontecimentos de A Guerra dos Tronos os Sete Reinos caem em uma guerra civil de grandes proporções; reis surgem nos quatro cantos de Westeros cada um aclamando ser o herdeiro legítimo ou em busca de vingança. E sob o brilho rubro de um estranho cometa, que para cada um tem um presságio diferente, se forjam alianças e traições ocorrem, jornadas têm início e descobertas são feitas e o sangue encharca planícies e bosques em batalhas.

Desta forma somos apresentados ao enredo de A Fúria dos Reis, a aguardada sequência de A Guerra dos Tronos de George R. R. Martin publicada pela LeYa. Assim como no primeiro livro, este também é dividido pelos capítulos sob os pontos de vistas de vários personagens intercalados e sem preocupar-se em revelar os eventos que ocorrem paralelamente ou entre um e outro capítulo.

Logo no prólogo já podemos sentir todo o clima que irá permear as seiscentas e poucas páginas do livro e da própria série: intrigas e conspirações somadas a jogos de poder arriscados e frágeis lealdades. E conhecemos também um dos personagens-chaves para o desenrolar da trama: Stannis Baratheon, irmão do rei Robert e senhor da ilha de Pedra do Dragão. Stannis é um dos reis que lutam pelo Trono de Ferro e para conseguir isso ele se alia a uma misteriosa e poderosa seita religiosa oriental.


Durante o transcorrer do enredo também temos a oportunidade de acompanhar as ações dos outros reis insurgentes, Robb Stark, Rei do Norte, e Renly Baratheon, irmão e herdeiro auto-proclamado de Robert, que assim como no primeiro volume tem uma participação limitada e pouco significativa. O mesmo acontece com Robb quanto à freqüência de suas aparições, que em todo o livro tem poucos momentos de cenas envolvendo-o diretamente, todas elas narradas pelo ponto de vista de sua mãe Catelyn (Tully) Stark. E sem deixar de lado o Rei no Trono de Ferro Joffrey Baratheon, mais sádico do que nunca.

Em A Fúria dos Reis além dos pontos de vista dos personagens já conhecidos de A Guerra dos Tronos temos a inclusão de dois novos. O primeiro é de Davos, um ex-contrabandista que fora crucial para o salvamento de Pontatempestade (fortaleza da família Baratheon) durante o cerco feito no decorrer da Rebelião de Robert contra Aerys. Após esse ato heróico Davos tornou-se cavaleiro, ostentando como brasão um navio com uma cebola em sua bandeira, que lhe rendeu a alcunha de o Cavaleiro das Cebolas.

É através de Davos que podemos ver as movimentações mais significativas de Stannis Baratheon assim como traçar um panorama das mudanças ocorridas neste após abraçar o culto ao Senhor da Luz. Diga-se de passagem que alguns dos capítulos de Davos podem ser um tanto quanto chatos, dada a retidão exagerada que o ex-contrabandista possui. Porém considerei interessantes os momentos em que os conhecimentos navais do mesmo eram expressos, principalmente nos eventos finais.

O segundo ponto de vista inserido é o do Theon Greyjoy. Este era um dos personagens que menos simpatizei no primeiro livro, e neste segundo quando conseguimos ter um acesso maior a seus pensamentos e ambições tais impressões não tendem a mudar. Comentar qualquer coisa, além disto, seria revelar muito sobre o personagem e suas ações futuras, que ao longo de seus capítulos tomam rumos um tanto quanto inesperados se comparadas a suas pretensões.

Quanto aos antigos personagens de A Guerra dos Tronos o que mais se destacou neste volume fora Tyrion Lannister, agora como Mão do Rei interina. Se no primeiro livro Tyrion foi um personagem que divida as opiniões e sentimentos dos leitores pendendo tanto para o ódio quanto para uma singela adoração, neste nos rendemos a sua inteligente e perspicácia. As ações do Duende em A Fúria dos Reis são a cada instante calculadas meticulosamente e seus efeitos superficiais demais para que sejam notados no mesmo instante, cada um sendo um gatilho para algo ainda maior. Interessante também notar o quão hábil ele se mostra ao manipular os membros do pequeno conselho de Joffrey, por vezes dobrando até Varys e Cersei a sua vontade. E ainda sobre Tyrion é válido comentar que há muitos capítulos sobre o personagem se comparados aos dos outros e isso permite que tenhamos uma maior interação com ele.


Sansa Stark continua sendo a donzela em apuros de antes, porém agora sem fantasiar mais com seu futuro junto a Joffrey. Arya Stark também mantém seu modo único de ser cativante e forte mesmo sob as circunstâncias não muito animadoras. Catelyn possui seus momentos de grande determinação e aqueles que se lamenta diante de tudo, mas ainda sim consegue ser uma personagem sem sal na maior parte das vezes.

As narrações focadas em Bran por outro lado sofrem uma grande evolução. Seguindo pelos lamentos do final de A Guerra dos Tronos, as primeiras aparições do jovem Stark são lamuriantes e entendiantes, cada uma lhe dando o desejo de simplesmente pulá-la e seguir adiante. Mas no transcorrer das páginas e conforme novos elementos são inseridos na trama envolvendo-o recupera-se a chama que aviva a curiosidade quanto aos elementos seguintes.

Infelizmente temos poucas partes de sob o ponto de vista de Daenerys, ou Dany, e estes são uma sucessão de acontecimentos rápidos que por vezes ficam vagos. E o capítulo que encerra sua participação em A Fúria dos Reis nos traz muito mais perguntas e um sentimento de que nada de extremamente significativo aconteceu à personagem.

O núcleo desenvolvido na Patrulha da Noite também se mostrou interessante, tendo os pontos de vista de Jon aparecido em uma quantidade boa e freqüente. Outro ponto positivo fora o abandono da passividade da Patrulha que deu a toda a trama um novo gás que se torna ainda maior conforme os capítulos finais se aproximam.

Os personagens secundários como Varys, Mindinho, Cersei também tiveram bastante destaque, sendo em sua maioria enredando-se em meio aos esquemas de Tyrion. E fica uma vontade muito grande que nos próximos livros tenhamos a chance de conhecer os fatos pelos pontos de vista de pessoas como Varys ou Brienne, também inserida neste volume.

Um elemento que fora introduzido de maneira lenta e gradual em A Fúria dos Reis fora a magia que dá um toque especial, em algumas vezes sombrio, a diversos acontecimentos no decorrer das páginas.

Martin continua surpreendendo com sua narrativa cheia de reviravoltas e acontecimentos inesperados, principalmente neste volume foi interessante uma revelação que ocorre ao fim dos eventos. E depois de tantos acontecimentos ao final do livro suas ideias estão completamente fora de foco, questões e mais questões se formam e muitas respostas ficam pendentes para o próximo livro, A Tormenta de Espadas.

Por fim não poderia deixar de comentar a respeito da arte do segundo livro, cuja ilustração há pouco tempo descobrir ser a mesma da edição francesa, continua impecável. Novamente temos as orelhas maiores que o normal e que completam a ilustração da capa e contracapa. Ao final temos um apêndice onde estão dispostas as cortes reais e após essas as famílias de maior importância dos Sete Reinos e a Patrulha da Noite além dos dois mapas, um na primeira página e outro na última.


Definitivamente um livro no qual você mergulha no primeiro parágrafo para emergir completamente sem fôlego somente ao terminar de ler a última linha.





Título Nacional: A Fúria dos Reis - As Crônicas de Gelo e Fogo 2
Título Original: A Clash of Kings - A Song of Ice and Fire #2
Autor: George R.R. Martin
Ano de Publicação: 2011
Número de Páginas: 656 páginas
Editora: Editora LeYa
Onde Comprar: Submarino - Saraiva
Sinopse: Um cometa da cor do sangue e fogo atravessa o céu. E a partir da cidade antiga de Dragonstone às margens proibidas de Winterfell, reina o caos. Seis nações lutam pelo controle de uma terra dividida e pelo Trono de Ferro dos Sete Reinos, preparando-se para o embate através de tumulto, confusão e guerra. É um conto em que irmãos conspiram contra irmão e os mortos se levantam no meio da noite. Neste lugar uma princesa se disfarça como um garoto órfão, um cavaleiro espiritual prepara um veneno para uma feiticeira traidora, e homens selvagens descem das Montanhas da Lua para devastar o campo de batalha. Com um pano de fundo incesto, alquimia e assassinato, a vitória pode chegar aos homens e mulheres possuidores do aço mais frio … e corações mais gelados. Quando há um confronto entre reis, toda a terra treme



Meu nome é Gutemberg Fernandes, ou para os íntimos Guto. Sou fã de literatura fantástica, principalmente épica ou medieval, além de contista nas horas vagas. No Guria irei trazer para vocês um pouco deste universo de cavaleiros e dragões, espadas e magia. Espero que gostem.

8 comentários:

Vulcka disse... [Responder comentário]

Adooooroo! *___*

Não vejo a hora de poder terminar o meu! Malditos exames!
Mas também... quando chegar o sábado, só levanto quando terminar o livro! ;D

Celle Espindola disse... [Responder comentário]

"Se no primeiro livro Tyrion foi um personagem que divida as opiniões e sentimentos dos leitores pendendo tanto para o ódio quanto para uma singela adoração, neste nos rendemos a sua inteligente e perspicácia."

simples assim, ele é muito genial.

Ainda estou lendo esse, mas já sou apaixonada por todos por tabela de A Guerra dos Tronos, pkspksp

Beijos,
Celle
Três Lápis

paros28 disse... [Responder comentário]

Cadê o pessoal Colorido hein hein é nesse não é ?????

Adorei a resenha, você tá começando a me convencer de ler esse tipo de livro, falta pouco, mas um resenha dessas eu tô adquirindo....

Quero resenha de Passagem, vamô... vamô... quero pra ontem

Rafael Fernandes Henrique dos Santos disse... [Responder comentário]

Renata Guria linda como vai? Nem tive coragem de terminar de ler qdo comecei a ler e vi que falava de guerra e nao gosto de livros assim.. sei que tem aventura um monte de coisa mas nao faz meeu estilo... eu tentaria... mas não prometeria que iria até o fim.. o texto até onde li está otimo viu Re, um abraço de urso

Beijos,


Leituras Vivas

c8ris disse... [Responder comentário]

uaua que resenha hein ^^ não deixou faltar nada deu mais vontade de ler do que nunca adoro essa serie os livros realmente parecem ser bons com muita lutas e reviravoltas

A.C. disse... [Responder comentário]

estou lendo esse livro agora. demorei um pouco, mas, com tantos elogios, tive que conferir!
vc tem o maior cuidado com o seu blog, dá pra ver. tá beeem bacana!
acabei de criar o meu e estou zanzando pelos blogs pra me incentivar um pouco a persistir, hehe. dá uma forcinha lá quando puder, ainda tá no comecinho, mas saber que tem alguem vendo é um bom estímulo.
bookdagarrafa.blogspot.com
beeeeijo

Fábrica dos Convites disse... [Responder comentário]

Gosto deste livros que te fazem parar tudo até conseguir terminar a leitura. Não vejo a hora de ler. Bjs, Rose.

Gisele disse... [Responder comentário]

Confesso que nunca li nenhum desses livros, mas todas as resenhas que vejo sobre eles me fazem ficar co uma vontade!!!

bjus

Postar um comentário

 
Guria que lê © 2010 | Desenvolvido por Chica Blogger | Voltar para o topo