Paixão, Drogas e Rock’n’Roll – Daniela Niziotek

 

 

 

 

 

“Já há algum tempo ela havia notado que o encontro entre eles despertava nela descobertas e transformações das quais ela nunca havia suspeitado.”

Paixão, Drogas e Rock’n Roll – página 49

 

 

 

 

Falar de músicas, histórias de amor e cursos de vida alterados em consequências das escolhas que tomamos já são grandes elementos para compor um romance nada convencional. Mas Paixão, Drogas e Rock’n’Roll vai além, e toca os leitores com uma história de arrasar corações e ficar marcado na memória por muito tempo.

 

Brian Blue é cantor de uma famosa banda de hard rock. No início dos anos 90, uma época onde a música e os jovens despontam no mundo em busca de sua expressão, o Fears, banda da qual Brian faz parte, é tido como um ícone. A fama, o dinheiro e o status viraram a cabeça do roqueiro, tornando-se conhecido na mídia por suas brigas e encrencas, festas e doideiras, incluindo muito álcool e drogas. A decadência de Brian chega ao limite, mas por amor e uma imensa vontade de mudar, ele se volta à reabilitação, buscando salvar seu casamento e sua mulher, que também se perdeu pelas drogas. Porém uma traição o desconcerta e o leva a cometer uma grande loucura que mudará para sempre sua vida.

 

Vitória, ou simplesmente Vicky, é uma garota do interior que acabe de passar no vestibular e entrar na tão sonhada universidade. Ao se mudar para São Paulo e morando com sua recém amiga, Carol, ela só pensa em alcançar seus objetivos cursando a faculdade de filosofia. Centrada, quieta e na dela, Vicky nem sabe da existência do Fears e muito menos do seu popular cantor, Brian Blue, apenas se dedicando ao som tranquilo da MPB. Mas a chegada de Ricardo, irmão de Carol, com o convite de assistir ao concerto do Fears no Rio de Janeiro muda tudo, e os sonhos de Vicky estão prestes a tomar outros rumos.

 

Para Brian, era apenas mais um show em que conseguia se deixar levar pelo som e os gritos do publico. Até ele encontrar seu olhar e ficar intrigado com o que encontra ali. Para Vicky, Brian Blue era apenas mais um roqueiro inconsequente que tem sua vontade e apelos atendidos. Naquela noite, tudo muda, e no auge de mais uma bebedeira, Brian é amparado por Vicky, que o trata como outra pessoa qualquer, não fazendo proveito da fama deste prestigiado roqueiro.

 

Entre conversas e charmes, beijos roubados e saídas, Brian e Vicky não esquecem aquele momento que os uniu. Uma paixão surge e a imensa vontade de estarem juntos. Brian contorna as obrigações de sua turnê e Vicky encontra brechas em sua faculdade, e o que era impossível de acontecer, acaba nascendo e florescendo entre eles. O amor que compartilham ganha a força para lutarem por algo maior, e os planos e sonhos surgem no seu caminho. Mas as ações do passado voltam e cobram seu preço, e Brian se vê perdido em meio às loucuras que cometeu e suas consequências, e cabe a Vicky encontrar as forças para fazer este amor superar as barreiras da vida.

 

“Vicky estava chorando. Ele a abraçou emocionado. Claro que podia entender o dilema dela, era o dele também. Este era o paradoxo da sua vida; ele era tudo o que queria ser, mas o que era o impedia de ser quem era.”

Paixão, Drogas e Rock’n Roll – página 57

 

Começar a falar deste livro é... complicado. Não porque a história seja ruim ou porque não houve um envolvimento relacionado ao livro. Do contrário... lembro que quando recebi o livro do Hugo, contato da autora que me cedeu o exemplar para análise, logo pensei que sua leitura seria... diferente. E não me enganei. Paixão, Drogas e Rock’n’Roll se tornou uma das leituras mais tocantes, emocionantes e prazerosas que tive neste ano, por isso, falar do livro é complicado. Complicado pelo simples fato de que ao lembrar da história, um nó se forma em minha garganta, com aquelas passagens incríveis (além da leitura, por acidente, do que acontecia *o ponto-chave da trama* antes de conhecer bem a história) que vivenciei – sim, eu adentrei na história tamanha a sua intensidade. A cada linha, uma nova emoção – seja de alegria, esperança, angústia ou sofrimento – e a cada novo momento, a certeza de que esta leitura me marcaria por um bom tempo (motivo pelo qual demorei a resenha-lo).

 

O livro tem uma bela arte gráfica, que enfatiza os temas que cercam a história. É narrado em terceira pessoa, intercalando as visões de Vicky e Brian. Com apenas 188 páginas, a história não perde em desenvolvimento apesar do seu tamanho, mesmo que há momentos um tanto lentos na narrativa e uma descrição um pouco enrolada. O título do livro – Paixão, Drogas e Rock’n’Roll – faz totalmente jus a obra, que se for vista pelo ponto de vista de seu protagonista, Brian Blue, ganharia a denominação ao melhor estilo rock star de “sexo, drogas e rock’n’roll”, ou também cantarolado ao som de Tequila Baby (banda gaúcha), seria “O meu problema é sexo, algemas e cinta-liga” (música Sexo, Algemas e Cinta-Liga – vídeo), já que sua história gira em torno de... bom, sexo, problemas por causa de seu temperamento, como brigas, e obviamente, mulheres. O enredo é denso, por tratar de assuntos polêmicos – a grande chave do livro –, no entanto, estes temas são tratados com muita sensibilidade e sutileza. A ambientação da história nos anos 90 é um importante aliado a isso, já que esta época, de grande sucesso do rock, contava com inúmeros exemplos de sucesso, dinheiro e dependências químicas. Daniela Niziotek soube aproveitar bem o lado roqueiro de Brian para expor uma visão sobre as escolhas e consequências que realmente atinjam o leitor. É aquele livro impossível de largar até lê-lo todo, mesmo que isso signifique que você sofrerá com o que irá encontrar no final.

 

Como já foi dito, Brian é o roqueiro-rebelde-com-causa, que só serão explicadas ao longo do livro. Há momentos em que a aspereza e a forma brusca com que trata Vicky te fazem odiá-lo, e há aqueles momentos em que você tem certeza que existe um cara especial por detrás da máscara de machão. Tudo depende da forma como o leitor interpreta seus sentimentos, como uma pessoa de fora ou incorporando o personagem, especialmente depois de se defrontar com suas atitudes no primeiro capítulo do livro (cena a qual me fez abandonar o livro por alguns dias até me encorajar a lê-lo novamente – o que não me arrependo). Acredito que Daniela quis mostrar o quanto uma pessoa pode chegar ao fundo do poço quando a amargura e o sofrimento tomam conta de si, e o quanto o amor pode nos levar a cometer loucuras, para o bem ou para o mal. No caso de Brian, amar Vicky era a sua redenção e ao mesmo tempo sua maior tortura (totalmente explicável, garanto!). Mesmo Vicky tendo papel de protagonista na história, em minha opinião, ela é uma coadjuvante na história de Brian, que para mim é quem toma conta do enredo do livro, já que tudo gira em torno de si. Ela apenas é a prova de que a vida nem sempre é um mar de rosas (como sempre escuto de minha mãe), e que ela cobra seu preço, mais cedo ou mais tarde. Vicky também sofre, em consequência das atitudes de Brian ou pelo simples fato de ser seu primeiro – e problemático – amor, no qual não se pensa em como agir, apenas se quer viver aquilo para sempre, mesmo que a realidade impeça que os sonhos se concretizem.

 

“-Porque eu já estava morto quando eu encontrei você. Você não, você tinha uma vida, sonhos, projetos. Você tem uma vida inteira pela frente. Eu tenho que ter certeza de que não vou tirar isso de você, porra!”

Paixão, Drogas e Rock’n Roll – página 147

 

Este não é um livro de final feliz e nem de romances implacáveis, que superam tudo para se manterem unidos, já vou avisando. É um livro reflexivo, de te deixar num profundo debate com seus próprios sentimentos. O típico livro que você acaba de ler e pensa “e se...?”, remoendo os fatos que poderiam ter sido diferentes ou não. Eu acho que esta foi uma das resenhas mais profundas (filosóficas) do blog, mas para falar de Paixão, Drogas e Rock’n’Roll requer isto de mim. Me abalei com o livro, mesmo que tenha intercalado momentos de risos e alegrias. Acredito que, apesar de não ter imaginado um final como aquele, a história demonstra que às vezes precisamos abrir mão da nossa felicidade para ter certeza de que quem amamos será feliz, mesmo que isso provoque a nossa tristeza. Como já deu pra perceber, o livro transpõe alguns sentimentos e por isso, é tão tocante e encantador. Por causa disso, essa será a primeira resenha com trilha sonora, já que o tema enfatiza isso e porque elas foram grandes aliadas na minha DPL. Mas antes disso, termino minha fala com a citação que me levou as lágrimas e me fez considerar este um dos melhores livros que li... e para você, apenas indico que tenha uma ótima leitura com Paixão, Drogas e Rock’n’Roll!

 

“Ela agora sabia que, toda vez que fechasse os olhos, encontraria Brian, sentado ao piano, tocando e cantando as canções que não se calavam em seus corações.”

Paixão, Drogas e Rock’n Roll – página 189

 

 

71058_216169690840_6480306_q   facebook_logo

 

 

Playlist da Guria *solta o som, gurizada*

Obs: não tem apenas rock, mesmo eu sendo grande fã deste estilo, apenas me deixei levar por músicas que embalaram minha leitura ;)

 

  1. Nx Zero – Onde Estiver (video)
  2. Mike Posner – Please Don’t Go (video)
  3. Creed – My Sacrifice (video)
  4. The Calling – Wherever You Will Go (video)
  5. Travie McCoy – Need You (video)
  6. Alter Brigde - In Loving Memory (video) *indicação do guri, né Guto?!*

 

 

Título Original: Paixão, Drogas e Rock’n’Roll

Autora: Daniela Niziotek

Ano de Lançamento: 2010

Número de Páginas: 192 páginas

Editora: Maquinária

Onde Comprar: SaraivaSubmarino

Sinopse: Brian Blue é vocalista e líder de uma das maiores bandas de hard rock do início dos anos 90 e Vicky, uma adolescente brasileira. Desse encontro improvável, nasce uma história de amor com todos os ingredientes dos tempos modernos. Com rara sensibilidade, Daniela Niziotek envolve o leitor ao abordar as dificuldades e concessões enfrentadas para a concretização dessa relação quando um fato trágico se interpõe, mudando para sempre a vida dos personagens. De modo delicado e comovente, mas com aguda percepção, Daniela fala das belezas e dores humanas, trazendo à tona, em meio a uma torrente de sentimentos, os bastidores do mundo do rock. Um mundo de muito glamour, mas também de desencanto e impossibilidades extremas. Brian e Vicky vivem e sofrem os dilemas do amor e da paixão, da insensatez e da lucidez, da luta para fazer prevalecer a razão em um universo cheio de contradições. Dessa mistura de emoções, nasce uma trama muito bem urdida que nos faz pensar sobre a essência do amor e suas nuances mais caprichosas e imprevisíveis.

Avaliação: «««««

 

 

Ainda esta semana tem: Prateleira Nacional com a autora, Daniela Niziotek, e promoção valendo um exemplar do livro! Então… comente :)

 

E não esqueça que comentar no Guria que Lê pode te dar o kit do livro “Um Amor para Recordar”!

banner_AMOR180x309

28 comentários:

Renata Holanda disse... [Responder comentário]

Rê,

Primeiro fiquei feliz com o início da resenha, depois ao final, quando enfatizou que o livro não é daqueles com final feliz, murchei. Sou romântica, e a história parecia trilhar outro vies.
Bem, e logo hj, dia dos namorados, o romantismo ainda fica mais a flor da pele.
Bjs
Renata
www.tecergirassois.blogspot.com

Shanellynhá! disse... [Responder comentário]

Oi Rê!
Amei a resenha, muito profuuunda! Hehehe.
Esse livro parece tudo de bom mesmo. Já cansei dos mesmo finais felizes de sempre, e essa história parece que não se encaixa no perfil.
Amante do bom e velho Rock n' Roll que sou, não vou deixar passar esse livro, que parece liiindo!

=* Rê, o blog tá lindo, e as resenhas ótimas!

Shanellynhá! disse... [Responder comentário]

Esqueci de colocar! Hehe
Seguidora: Shanelly Faust
@shanellyfaust

Guto Fernandes disse... [Responder comentário]

Achei interessante o tema do livro, embora eu não seja fã de Hard Rock, e pela pegada que ele parece possuir. Pela parte meio triste e pesada dele parece me lembrar um pouco dos livros do Nicholas Sparks e suas tragédias.

Algo que me deixa curioso é ver o desenvolvimento do livro, como ele passa de cada cena além das transformações que os personagens sofrem. Gosto muito de acompanhar esse tipo de transformação nos personagens, e no caso de livros neste estilo, dá pra perceber um amadurecimento e a modo como eles encaram os fatos transcorridos.

E levando em conta o desfecho, e a causa que leva a ele, o livro se mostra bem diferente daquilo que você deve imaginar ao começar a ler. Aparentemente isso é algo bom, pq quando vc começa a leitura de um romance geralmente vc já tem a ideia de que o casal irá ficar bem e feliz ao final. Isso para mim torna a leitura um tanto previsivel, sendo que vc só se emociona com os obstaculos durante o desenvolvimento da história.

Enfim, uma resenha bem escrita que conseguiu passar bem os sentimentos presentes no livro, mas que só podem ser mesmo sentidos durante a leitura. \o/ Agora é esperar pela PN e depois promo!!!

Beijos minha linda...

Miin Trindade disse... [Responder comentário]

Oi sister!
Tenho que dizer que, apesar de ter sido complicado pra você escrever a resenha, você o fez muito bem. Eu fiquei arrepiada aqui só de ler a resenha, de verdade. Eu cheguei aqui pensando que ia achar um novo Nick & Norah *que eu amo, by the way*, mas acabei me surpreendendo ao saber que o livro vai beeeeeeeem mais profundo.
Me deu muita vontade de ler, apesar de não estar certa se agora é o momento certo kkk Lerei no verão, quando tudo é sol e praia e pessoas parecendo camarões, porque vou precisar de uma leitura dramática pra voltar ao clima kk

Beijos

Miin

Mireliinha disse... [Responder comentário]

Oi Rêxuxu!
Sua resenha ficou muuito legal e profunda. A história parece ser bem interessante!
A capa linda de viver, não é?!

:*
Mi
Inteiramente Diva

Paloma disse... [Responder comentário]

Eu gosto de sonhar e ler finais felizes. Mas os finais tristes em que eu me ensopo em lágrimas e quase entro em depressão também me agradam.

Nunca tinha ouvido falar do livro, mas me deu muita vontade de ler. Esse vai para o topo da lista dos "queridos".

Beijos

Myl@ disse... [Responder comentário]

Nossa, adorei a sua resenha, já tinha lido por base a estória do livro, mas não com tanta profundidade. Um livro com uma estória muito bem elaborada, que eu sem dúvida vou querer ler, fico feliz também em ver que é um livro de uma autora nacional.

Vulcka disse... [Responder comentário]

Juro que olhei o título do livro, a capa e a quantidade de páginas e me desinteressei. Achei... desmotivante!
E só então li a resenha, que, recheada pelas tuas opiniões, abalou minha ideia inicial.
Pelo último trecho citado já deu para sacar que é emocionante. Sim, aborda tristeza, mas o triste é também bonito. E quem discorda que atire o primeiro Nicholas Sparks :P

Maryzlane Sarah disse... [Responder comentário]

Nossa que resenha incrivel se me permite dizer uma das melhores que já li aqui *-*

O livro parece ser bem tenso, me lembrou um pouco "Vida de Droga" já leu?? só que nesse ai tem um final psedo-feliz mas enfim.
Parece ser um livro bem interessante de ler.

@Maryzlane - Mary *-*

Rafael Fernandes Henrique dos Santos disse... [Responder comentário]

Que livro total e linda - Paixão, Drogas e Rock’n’Roll é muito bom porque mostra uma parte de nós como tomamos decisões erradas de nossa vida. Enfim, eu amei o texto.

Rafa
LEITURAS VIVAS
@rafa__rafa (2 underlines)

Adriana disse... [Responder comentário]

Tem tanto medo de livros que não tem um final feliz, mas mesmo assim eu insisto em le-los, a história parece linda e tocante, sua resenha me deixou com uma enorme vontade de ler! Bjo!

c8ris disse... [Responder comentário]

porra meu que resenha agora quero mais ainda esse livro
uma historia de amor trágica e com um toque de filosofia de vida
uaua esse Brian parece linha dura
^^ adorei a resenha bem profunda

ALINE T.K.M. disse... [Responder comentário]

Esse livro me pareceu bem atraente por diversos aspectos, mas acho que o maior deles é o fato de envolver temas mais polêmicos. Tudo bem que às vezes é ótimo ler um livro mais água-com-açúcar, mas geralmente prefiro coisas mais fortes e, por que não, que fujam do já manjado final feliz. Sem falar que o mundo do rock é algo p/ lá de convidativo!

Leilla disse... [Responder comentário]

Liiiinda resenha! *-*
Eu me apaixonei por esse livro!
É daquelas histórias em que a gente sente uma raiva, e depois pena.
Mas ai vem aquele final inesperado, ou esperado dependendo do contexto.
É como se contasse algo da vida real, que realmente pode acontecer com qualquer um.
Um livro que te prende do começo ao fim.

marcela disse... [Responder comentário]

linda resenha, estou mesmo precisando de um livro que não tenho aquele final feliz. suas resenhas são maravilhosas Rê. Mesmo depois de ver a capa e o numero de paginas ainda quero muito ler esse livro e com certeza coloca-lo na minha lista de favoritos (:
marcela ☮
@maaah_jb

Gessy disse... [Responder comentário]

Já me emocionei com a resenha, e imagine o que acontecerá quando eu ler o livro... Uma história deveras interessante e que conseguiu despertar meu interesse. A história de Vicky e Brian parece fugir dos clichês de "se apaixonaram - brigara - reconciliaram-se - e viveram felizes". E eu gosto de histórias assim, apesar de que, pela resenha, já deu para perceber que o final e muito triste.
Esse título me lembrou o de outro livro: "Como a Geração Sexo-Drogas-e-Rock n Roll Salvou Hollywood" do Peter Biskind. Talvez não seja uma comparação válida, pois ainda não li nenhum dos dois. Mas... vai saber!? =D

Andressa Leite disse... [Responder comentário]

Nossa a resenha ficou muito boa, você realmente gostou do livro e conseguiu passar isso pela resenha. Gostei bastante, com certeza quero ler e conhecer Brian e Vick, um casal improvável, amo casais improváveis,kkk, bjs.

Renata Silva disse... [Responder comentário]

Já tinha visto algumas meninas de outros blogs falando desse livro, e sua resenha ficou otima. Me chamou bastante a atenção esse romance por ele unir mundos diferentes e pelo percebi idades diferentes, mostrando que o amor não se limita.
E devo dizer que não são todos os livros de autores brasileiros que me chamam a atenção o que é uma pena. Mas, estou realmente com vontade de ler esse.

@renatapersi

Paula C. disse... [Responder comentário]

Nossa! Eu preciso ler esse livrooo!
Adoro histórias que envolvam amores entre mundos diferentes, principalmente esta que envolve a fama. Parabéns pela resenha, pois ficou muito boa!

Bruna M disse... [Responder comentário]

Adoro livros que mostram que o amor pode superar as dificuldades. Algumas pessoas não me entedem mas... eu gosto de livros com finais tristes porque eles mostram como a vida é realmente e que tudo pode mudar perante nossas escolhas.

Kaah'riny - disse... [Responder comentário]

No começo não me interessei muito por esse livro, mas com o tempo foi nascendo uma vontade enorme de lê-lo. E agora que li sua resenha, a vontade aumentou mais ainda, gostei muito do tema, e da forma que é abordado, gosto muito de livros que citam bandas, shows e etc. Achei interessante saber que o final não é tão feliz (pra não dizer triste). Enfim, esse livro parece ser emocionante a sua maneira.

jenniferdlegal disse... [Responder comentário]

Pelo que eu ouvi por aí esse é realmente um livro muito forte com muito drama que te faz refletir muito!

@Jennifer13d

Coisas sobre garotas... disse... [Responder comentário]

gostei da sua resenha diz muito sobre o livro e me levou a uma vontade absurda de le-lo, gosto de rock e coisa afins, me interresou pois este livro traz uma tematica muito interessante, parabéns pela resenha você sabe muito bem como deixar alguem com vontade de ler um livro...
@anac_pink

Andressa Bernardes disse... [Responder comentário]

Sabe a sua resenha me lembrou um livro do Sidney Sheldon , não é final feliz , te faz refletir e tu fica no final "mas e se...." ... e também as vezes fica muito indignada com o autor UAOSHOA (meu caso, queria matar ele) Mas tudo isso por que eu gosto de finais felizes, talvez seja bom eu sair desse mundinho e o livro Paixão, Drogas e Rock’n’Roll pode ser ótimo!

Thailana Oliveira disse... [Responder comentário]

Confesso primeiramente que não gostei da capa,sei lá, esperava muito mais que um simples nome na capa.Mas, como todos sabemos não se deve julgar o livro ou ninguém pela "capa", né??rsrsrs....lndo sua resenha melhorei muito a onade de ler,pois estava muito sem motivação.Agora me bateu uma vontade de ler...
Parabéns pela resenha.
Bjs

Luiza disse... [Responder comentário]

NOSSA. Essa é a palavra que eu digo para a sua resenha, eu pensei que eu não ia gostar do livro, mas me surpreendi com a sua resenha e com certeza quero lê-lo. Parabéns pela resenha.


Luiza,
do blog Encantados pela Leitura.

Sonia disse... [Responder comentário]

Pela resenha dá para perceber uma história profunda. E como você mesma diz não apresenta o happy end habitual, como acontece na maioria dos livros.
Na vida também é assim, nem tudo termina em flores. Deve realmente ser linda a história e mexer com algo dentro de nós para refletirmos sobre o nosso mundinho perfeito.

Postar um comentário

 
Guria que lê © 2010 | Desenvolvido por Chica Blogger | Voltar para o topo