Prateleira Nacional # 03



Inspirado na popular série americana America’s got talent, a seção do Guria que Lê apresentará os novos talentos brasileiros no campo da literatura. A cada edição um novo autor/ autora terá suas obras apresentadas, bem como o seu perfil e sua carreira literária. Valorize a literatura nacional conhecendo seus autores. Prestigie você também o talento brasileiro!

Na nova edição do PN, conheça André Cardinali, autor de Estátuas de Sal!


Título: Estátuas de Sal
Autor: André Cardinali
Número de páginas: 296 páginas
Lançamento: outubro de 2010
Editora: Novos Talentos - Novo Século
Sinopse: Quem são as Estátuas de Sal? Dez anos depois que Deus destruiu São Paulo por conta dos pecados de seus habitantes, a pergunta ainda rodeia a cabeça de Alice, principalmente agora que seu pai foi encontrado morto, com suspeitas de suicídio. Em busca de respostas, a jovem inicia uma investigação que a levará até as ruínas proibidas da antiga metrópole. Uma viagem sem retorno e que revelará muito mais do que ela procurava a princípio. Uma viagem em busca do sentido da vida.


Com um título para lá de sugestivo, André nos apresenta seu trabalho de estreia no mundo literário, um livro que tem conquistado a admiração e prendido a atenção dos leitores. Desde pequeno, André Cardinali tem se destacado com sua escrita, aprimorando-a com o tempo e desenvolvendo uma nova paixão. Formado em Rádio e TV, André se aventurou na literatura, buscando transferir suas experiências reais à ficção, exaltando que a vida imita a arte. Estátuas de Sal foi finalizado após um ano e meio de dedicação e muitas pesquisas. Hoje, aos 23 anos, André já possui quatro romances escritos e muitas ideias fervilhando na cabeça.



Saiba mais sobre André Cardinali e Estátuas de Sal!


1.  Você é formado em Rádio e TV, mas atua em diversas áreas artísticas, como roteirista, repórter e músico compositor. Como surgiu a ideia de agregar a escrita a sua vida? Era uma vontade antiga ou foi algo ao acaso?
Eu sempre tive essa vontade de escrever, tirar as ideias da minha cabeça, fosse com letras de músicas, roteiros de filmes ou mesmo romances. A literatura apareceu na minha vida antes da minha formação universitária. Comecei a escrever romances com 15. No fim, minha vontade de escrever, de criar, foi o que me impulsionou a escolher meu curso. Sonho bastante com outros mundos possíveis e a literatura é talvez a forma mais barata de fazer o sonho virar realidade. Não custa nada escrever, em comparação com o gasto astronômico de se fazer um filme. Talvez, mais que tudo, foi isso que direcionou minha criatividade para a escrita.



2. Seu interesse por criação interferiu nas suas escolhas literárias ou suas leituras se dão por outros motivos? O que te leva a escolher um livro? Quais foram suas maiores inspirações na literatura, em termos de autores, obras e personagens?
Eu sou simplesmente apaixonado pelo mistério e o suspense que ele carrega. Aquela coisa de você querer descobrir o que se passa, quem é o assassino, quando você se vê totalmente absorvido pelo mistério que começa a raciocinar junto com o protagonista do livro para resolver o enigma juntos. Adoro isso. O que me leva a escolher um livro ou mesmo filme que quero apreciar é quando leio a sinopse e sinto uma fisgada de algo muito esquisito naquela sinopse. Aí, tenho que ler para resolver esse mistério e poder dormir! rs Acho que tenho maiores inspirações do cinema do que diretamente da literatura, mas Dan Brown é um cara que consegue aguçar minha curiosidade como poucos.



3. Todas as suas atuações têm ramificações artísticas. O seu trabalho, de alguma forma, influenciou sua construção literária?
A faculdade e cursos na área de cinema me ensinaram uma coisa legal que é pensar as coisas visualmente. A formatação de um roteiro para um filme é uma técnica diferente do texto dos romances. É uma linguagem muito mais simples e que te força a realmente visualizar a cena e a ação que ali acontece, então fica mais fácil de escrever. Fora isso, a faculdade me ensinou bastante sobre a relevância do trabalho artístico, da importância de se criar novos mitos. O que os escritores fazem é criar novos mitos, parábolas para passar uma mensagem importante. É nisso que acredito. Se você tem a oportunidade de falar e ser ouvido (no meu caso, escrever e ser lido, rs), diga algo que vale a pena ser dito. E diga de maneira que prenda a atenção das pessoas, para que elas realmente te ouçam.



4. Como surgiu a ideia de “Estátuas de Sal”? Conte-nos sobre sua composição.
Eu sou um grande admirador das religiões. Adoro compará-las e traçar paralelos. Passei por grandes descobertas espirituais nos últimos anos e achei relevante passar isso adiante. Talvez muitas outras pessoas se encontrem agora na mesma situação em que eu me encontrava alguns anos atrás e, se o livro puder ajudá-las a meditar melhor sobre o sentido de nossa existência, ficaria realmente honrado de poder ajudar. O livro não é para mim, é para as outras pessoas. Eu desejo, do fundo do meu coração, poder contribuir para um mundo melhor com a minha obra. Quem ler, vai entender melhor o que eu quero dizer. Não digo que o livro traz respostas para o sentido da vida. Seria muita arrogância da minha parte. Por outro lado, o que eu proponho é fazer as perguntas corretas. Enfim, a composição do livro se deu em juntar toda essa mensagem com a misteriosa mitologia das religiões abraâmicas (judaísmo, cristianismo, islamismo), que tem suas hierarquias de anjos, profecias, demônios e... o próprio Deus que destrói cidades!




5. Qual a razão de sua escolha em escrever sobre a destruição de uma metrópole por Deus? Porque uma temática religiosa e uma ambientação nacional?
Acho que respondi metade dessa pergunta na anterior! rs Mas Estátuas de Sal se baseia muito no trabalho do mitólogo Joseph Campbell, um cara que admiro ao extremo e que teve grande responsabilidade sobre o meu “insight”, por assim dizer.
Quanto a ambientar no Brasil, não foi uma escolha que eu fazia tanta questão. Quis fazer em São Paulo porque a cidade sempre me impressionou com o tamanho e eu conhecia o suficiente para escrever a respeito, usando lugares que têm importância histórica para dar um ar de imponência à destruição de Deus. Tenho notado que isso tem sido muito bem recebido pelas pessoas. Fico muito feliz. Acho que as pessoas se sentem mais próximas da trama, como se elas também pudessem fazer parte da estória. Acho bem legal! E fico realmente agradecido com o interesse.



6. “Estátuas de Sal” é um livro épico, que mistura fantasia e mistério. Como você define o livro?
Eu não sei se usaria os termos “épico” ou “fantasia” para descrever, mas não posso negar que exista um “quê” deles. Existe, sim, bastante suspense e, pra quem gosta de investigações, é um prato cheio.



7. E sobre os personagens, o que podemos esperar encontrar no livro? Conte-nos sobre Alice e sua jornada.
Alice é uma personagem bem complexa, isso dá pra notar desde o início. O leitor vai descobrindo quem ela é durante o livro e, de certa forma, ela também vai se descobrindo. A obra visa muito o processo de amadurecimento. A protagonista é uma referência à Alice no País das Maravilhas. Quem conhece a obra, vai conseguir enxergar outras referências a Lewis Carroll no texto.



8. A publicação de obras literárias por autores novos é muito complicada no país. Como foi para você conseguir a publicação de “Estátuas de Sal”? Quais são as dificuldades em se encontrar editoras?
Primeiro de tudo, é preciso encontrar uma editora que tenha interesse em publicar o gênero escrito. Depois, a parte difícil, é achar uma que tenha abertura para novos autores. Pra mim, foi muito bom o selo Novos Talentos da Novo Século, pois acho que dificilmente conseguiria por outra editora grande. A solução seria fazer independente, o que é muito mais complicado. É uma carreira difícil de começar, mas isso não deve desestimular quem sonha em entrar para área.



9. Como é a sensação de ver seu livro publicado? De vê-lo nas livrarias?
Eu estou realmente prestes a explodir! É um sonho se realizando. O livro deve chegar em pouquíssimo tempo e eu me sinto meio que cobrando um pênalti aos 45 do segundo tempo. Minha vontade de ver o livro pronto e na prateleira da livraria é indescritível! Faz valer todo o esforço até aqui.



10. Em relação aos leitores, como é receber a opinião deles sobre seu trabalho? Como é sua relação com eles?
Estou totalmente aberto a receber críticas, sejam quais forem. Sinto que o livro chega num bom momento na minha vida, em que realmente me sinto preparado para escutar de tudo. Graças a Deus, o pessoal tem gostado do que tenho divulgado. Espero que depois de lerem, gostem mais ainda, mas acho que saberei receber críticas negativas também. De qualquer forma, estou totalmente aberto para contato no twitter e tento sempre responder todo mundo. Até cabe aqui um convite. Quem quiser se comunicar comigo via twitter, sinta-se a vontade! Receberei as mensagens com toda a atenção e carinho.



11. Colocando-se no lugar de seus personagens, o que você faria se morasse numa cidade completamente destruída pela vontade de Deus?
Acho que Alice, a protagonista, tem muito de mim e, de certa forma, foi um desafio encarnar uma mulher. Porém, acredito que a maioria das ações que ela toma são as que eu realmente tomaria, embora ela não realmente more em São Paulo.



12. De todos os livros que você leu, se você pudesse viver uma história de ficção, qual seria e por quê?
Eu queria ser o Sherlock Holmes. Aquele cara é um gênio, né?! rs Não tem mistério pra ele! Só de olhar, ele já sabe quem você é e de onde acabou de vir. Acho um personagem fantástico. Eu queria ser tão bom quanto ele pra, pelo menos, descobrir onde eu deixei as chaves de casa em meio a minha bagunça! Rs



13. Quais são seus próximos planos para a literatura? Pretende escrever outras obras?
Já estou em processo de pesquisa há algum tempo para um novo livro e já tenho até algumas coisas escritas. Quero muito seguir essa carreira, mas dependo muito do retorno que Estátuas me der. Vamos ver a recepção dele.



14. Qual a sua visão da literatura atual? Por qual razão, em sua opinião, os livros de fantasia e ficção fazem tanto sucesso entre os leitores?
Vampiros e anjos são uma moda agora na literatura. É legal. Eu gosto de ambos, mas acho que essa febre se deve muito por uma fuga da realidade. Principalmente por ser uma febre entre adolescentes, uma fase realmente complicada em que todo mundo gostaria se refugiar num mundo mágico mesmo. A minha proposta, no entanto, é um pouco diferente. Mas aí eu não posso adiantar muita coisa. Só quem ler mesmo vai saber! Rs


Proseando...
« Literatura é a única maneira de voar.
« Quando escrevo recrio o mundo a partir dos meus olhos.
« As palavras são lindas, mas nunca conseguem traduzir os sentimentos.
« O que mais me inspira é vivenciar. Conhecer pessoas novas (ou mesmo conhecer melhor as pessoas ao meu redor) e viver novas experiências dão repertório muito mais vasto que horas de leitura.
« O que me distrai é a internet. rs Redes sociais, em geral. Um veneno para a concentração.
« O que mais amo é minha família, amigos e namorada.
« Livros são como portas que nos levam para os mais diferentes lugares e, no fim, de volta a nós mesmos, transformados depois da leitura.
« Na minha cabeceira existem artigos religiosos.
« Na minha estante tem menos livros do que deveria.
« Estou folheando O Símbolo Perdido, de Dan Brown.
« Quero ler Paciente 67 (agora relançado como A Ilha do Medo), de Dennis Lehane.
« Quero na minha estante o meu próprio livro! rs
« Admiro as palavras de Joseph Campbell.
« Curto o gênero literário suspense.
« Sou fã de Matrix e Lost!
« Um livro O poder do mito, de Joseph Campbell.
« Um personagem Aquele que eu represento todo dia.
« Me marcou a morte dos Mamonas. (Foi à primeira coisa na minha cabeça)
« Indico os filmes do diretor M. Night Shyamalan.
« Meu maior sonho é marcar positivamente o mundo com a minha passagem por aqui.
« Está nos meus planos conseguir viver de arte.
« Estátuas de Sal é para mim meu mais audacioso sonho.

Aproveite o espaço para dizer o que você deseja aos seus leitores: Obrigado pelo carinho que tenho recebido e o interesse. Espero retribuir com um livro tão divertido de se ler, como construtivo para suas vidas. E não se esqueçam de me retornar suas opiniões sobre ele! Agradeço muito também a atenção do blog. Obrigado mesmo por me ceder o espaço e a atenção.


Quer saber mais sobre Estátuas de Sal? Então siga o Twitter oficial, adicione o livro no seu Skoob ou compre o livro pelo site da Editora Novo Século. Aproveite e confira o booktrailer:




Agradeço ao André pela disposição e a atenção, e por mostrar um pouco mais sobre si e a misteriosa e fascinante história de Estátuas de Sal. Muito sucesso para você e seu livro!

E você, está preparado para Estátuas de Sal??!

9 comentários:

paros28 disse... [Responder comentário]
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
paros28 disse... [Responder comentário]

Oi Rê re-comentando kkkkk depois do momento "estou ficando louca"....

E um dos livros que estou querendo ler, mas esperando que saia no submarino e na saraiva.

E principalmente é de um autor nacional, o que é muito bom saber que as editoras estão investindo nos nossos talentos.

Beijos

Nanda Meireles disse... [Responder comentário]

Uau...
Já tinha ouvido falar(ou lido, rs) sobre esse livro no Twitter, mas só agora parei para conhecer a estória.
Super interessante!
Adorei a entrevista, deu para perceber que o André além de talentoso é bem divertido.
Desejo todo sucesso do mundo e que outros livros venham! rs
Beijos

Teentação disse... [Responder comentário]

Oi..
O livro deve ser muito bom mesmo..
Andréeee, manda um autografado pra mim..rsrsrs
AMEI a sinopse..esse livro promete!

Mahyara Gubani disse... [Responder comentário]

nossa, realmente, agora mais do que nunca me deu vontade de le-lo! de verdade, sou fã de Dan Brown (foi por isso que o André me mostrou o livro no skoob) e achei muito parecido com Anjos&Demonios (meu livro preferido!) pois relacionam as obras primas de seculos passados com varias coisas relacionadas as nossas vidas agora! MEODELS MT BOM!!!! de verdade, adorei o booktrailer e achei o André uma simpátia! :D
Aaah André, depois que eu comprar (vou dar de presente pro meu namorado pq ele que me apresentou Dan Brown, e ele vai morrer de amores por esse livro tbm pode ter certeza!) eu quero um autografo tá? não sei de onde vc é mas faça o favor de vir aqui no Rio (Niterói pra ser mais exata) fazer uma tarde de autografos heeim?! UAHSIUAHSIAUSHAISHAIUS' Beijinhos a todos e se derem passem no meu blog, não é tão bom qnt o livro do André, mas é fofo lá!! ^^'
enfim...
HASTA! o/

Maria Eduarda Wimmer disse... [Responder comentário]

Nossa deve ser MUITO MUITO bom mesmo
adorei o escritor e o Proseando... uahsuahs as respostas dele super fofas
Muito legal AMEI !!
Beijos

Sandramika disse... [Responder comentário]

Oi Rê
Sabe aquelas pessoas que vc vê uma foto e já sabe q ela é muito legal e q vc vai gostar dela ? Pois é...isso raramente acontece comigo, mas aconteceu em relação a voce...rsrs...
Amei seu blog e nós gostamos dos mesmos livros (vi sua estante no Skoob)! Um prazer ser sua coleguinha!
Bjuss

Amanda disse... [Responder comentário]

muito boa a entrevista rê...parabéns!!
Esse livro já está na minha lista pra ler rsrsrs

SerenityHime disse... [Responder comentário]

Fiquei sabendo do livro através do André mesmo, por um recado dele no skoob, e o que me chamou a atenção e me levou a comprá-lo foram os fatos que a personagem principal é uma mulher (coisa que falta nos livros de ação, que dão mais destaque aos homens) e de que se passa na cidade de São Paulo, pois muitos livros de autores nacionais se passam no Rio de Janeiro, então não consigo me identificar tanto com a história.

Adorei a entrevista, Rê! Parabéns! O André parece ser mesmo uma pessoa muito legal. :D

Beijos
Vivi
The Bookaholic Princess

Postar um comentário

 
Guria que lê © 2010 | Desenvolvido por Chica Blogger | Voltar para o topo